Reginaldo Maran é imortalizado em homenagem no CAAC

Em breve cerimônia realizada na manhã desta segunda-feira (22), o Centro de Atendimento ao Adolescente e à Criança (CAAC) oficializou a homenagem ao professor e artista que dedicou sua vida ao projeto, Reginaldo Maran.

Acompanharam a solenidade o prefeito João Paulo Rodrigues; o vice José Cláudio Inforçatti “Bicudo”; a secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Silvania Meira Geradi; a diretora de Proteção Social Básica, Leila Freitas; a diretora da Rede de Proteção Social Especial, Sonia Lampa; os vereadores Júlio Raposo do Amaral Neto (autor do projeto que dá nome ao CAAC), João Picolo, Murilo Jácomo, Carlos Gerber, Donizete Morelli e Thiago Cetroni; e os ex-vereadores Carlos Alencar, grande amigo do homenageado, e Valdecir Sanches.

O diretor de Indústria, Comércio, Turismo e Marketing, Rogério Menani, iniciou o cerimonial apresentando a biografia do homenageado. Em seguida, passou a palavra à coordenadora do CAAC, Eliana Maria Ianilli que, ladeada por sua equipe de colaboradores, monitores e as crianças assistidas pelo projeto, agradeceu a iniciativa de Carlos Alencar e a Prefeitura pela realização da homenagem. “Reginaldo era um educador nato, que não media esforços para atender os seus alunos e todo projeto. Este é um momento muito feliz a todos nós, pois sentimos a falta dele não apenas como profissional, mas como a pessoa que ele sempre foi”.

O ex-vereador Carlos Alberto de Alencar, que deu a ideia de homenagear e trabalhou com Reginaldo Maran, contou como foi a convivência com o artista e, em coro com as crianças, deu seu “muito obrigado” ao amigo. Rogério Maran, irmão do homenageado, muito emocionado falou pela família e disse ser grato pela recordação.

O vereador Júlio Raposo do Amaral Neto, autor do Projeto de Lei, comentou como a Câmara Municipal de Monte Alto recebeu e aprovou, aos aplausos, sua sugestão de homenagem, sem a necessidade de discussão, e como Reginaldo foi exemplo de como se colocar à disposição para compartilhar ensinamentos e melhorar a vida dos próximos.

Em momento de muita emoção, o ex-aluno Eliel Siqueira recordou histórias do convívio por 3 anos com o professor Reginaldo Maran. “Minha maior alegria era esperar o ônibus, às 5 da manhã, para ter a aula com ele. Apesar de todos os problemas que enfrentávamos, o Reginaldo sempre esteve disposto a ouvir, conversar, abraçar como se fossemos seus filhos… e esquecíamos de tudo”. Após este período de relação, o professor ainda esteve presente na vida de Eliel. “Meu primeiro trabalho foi indicação do Reginaldo, estive praticamente supervisionado por ele. Ainda tive o prazer de entregar, nas mãos dele, meu sobrinho para que aprendesse como eu aprendi, antes de sua partida”, recordou.

O prefeito João Paulo Rodrigues falou do exemplo que fica da passagem de Reginaldo por esta vida, de como seu trabalho inspirou tantas pessoas e como seu exemplo impactou na vida dos profissionais e as crianças com quem conviveu. Ao término de sua fala convidou todos a orar, juntos, o “Pai Nosso”.

Por fim, os presentes descerraram a placa na entrada do CAAC. O projeto, instalado na Travessa da Saudade, deu novo sentido ao endereço, neste singelo evento que imortaliza a passagem de Reginaldo Maran por Monte Alto e pela vida das milhares de crianças que impactou.

HISTÓRICO

Reginaldo Maran nasceu na maternidade da Santa Casa de Monte Alto às 06h40 do dia 20 de maio de 1972, sendo o segundo filho do casal Natal Antônio Maran e Maria Rosa Fortunato Maran.

Iniciou seus estudos na então Escola Estadual de 1º Grau “Jeremias de Paula Eduardo” no ano de 1979 e a seguir complementou seus cursos na Escola Estadual de 1º e 2º Graus “Dr. Luiz Zacharias de Lima”.

Ainda garoto começou a trabalhar no Mercado Municipal de Monte Alto como ajudante na Casa de Caça e Pesca, de propriedade do Sr. Benedito Luiz Pontes; a seguir foi contratado como funcionário do Comércio de Ferragens do saudoso Mário Haruo Iwamoto, onde permaneceu durante alguns anos.

No início da década de 1990 começou a mostrar seus dons artísticos a serviço do jornal “A Comarca” de propriedade de Carlos Alberto de Alencar. Já em setembro de 1993 foi admitido, através de concurso público, na Prefeitura Municipal de Monte Alto como “escriturário”, cargo que ocupou até fevereiro de 1996.

Porém, a paixão pelas artes fez com que logo fosse trabalhar na pasta de cultura, com a então coordenadora Luciane Braulino, local onde participou ativamente de diversos projetos de incentivo à cultura, inclusive a reativação do Cine Teatro Municipal, através da implantação do projeto “Cinema Paradiso” (parceria com a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo).

Participou ativamente durante muitos anos como um dos representantes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Monte Alto; colaborou com inúmeras entidades (igrejas, APAE, etc.), eventos (festas religiosas, Festa à Fantasia, etc.) e pessoas, sempre mostrando seu talento para a criação artística.

Através da portaria nº 045/96, foi nomeado e empossado “Monitor de Educação”, em virtude de ter sido aprovado e classificado em concurso público municipal, função que ocupou até o final de seus dias. Exerceu suas funções sempre com dedicação e amor às crianças e adolescentes que participavam dos projetos sociais do antigo CEREM, hoje Centro de Atendimento ao Adolescente e à Criança (CAAC).

Foi criador de memoráveis artes que estampavam as camisetas, bermudas e estandartes das turmas de nossos inesquecíveis carnavais (Turma do Mé, Turma do Funil, As Psicodélicas, Os Tattos, Oito Furo & Camarão, citando apenas algumas), elaborou e confeccionou inúmeras fantasias para as festas locais e até regionais;

Fez também as charges que davam um toque especial no então recém-inaugurado Jornal Tempo, dos seus amigos Rineu Santamaria Filho, Rogério Menani e Marcelo Pires.

Colaborou também durante anos com o amigo, e também saudoso, professor Luiz Carlos de Vicente, na decoração de carnaval do Monte Alto Clube, decorações essas tão criativas e perfeitas que ficaram na memória de todos os foliões dessa época sem igual.

Faleceu precocemente às 07h10 do dia 31 de dezembro de 2017, no Hospital Santa Isabel, na cidade de Jaboticabal, em decorrência de uma infecção pulmonar bacteriana, consequência da insuficiência hepática da qual era portador. Mas sua genialidade e criatividade ainda podem ser vistas e lembradas em muitos lugares e por muitas pessoas que tiveram o prazer da sua presença inspiradora, altruística e sempre positiva em relação à vida.

Texto e fotos: Raphael Bertolli
Comunicação/Prefeitura de Monte Alto

Compartilhe