Saúde de Monte Alto recebe projeto piloto de acolhimento

Na manhã de 1º de agosto, a Unidade Básica de Saúde “Ezídio Pelloso”, na Vila Municipal, recebeu autoridades e profissionais da saúde para oficina sobre o projeto piloto de acolhimento da demanda espontânea na Atenção Básica. Monte Alto foi escolhido como município piloto de aulas que culminaram no projeto, por meio do Departamento Regional de Saúde – DRS.

Nestas aulas, Monte Alto recebia mensalmente profissionais de outros municípios, no Anfiteatro Municipal. Como sede, a cidade teve a oportunidade de inserir no aprendizado todos os enfermeiros da rede pública, enquanto que outras cidades podiam trazer até dois profissionais.

A diretora de Promoção da Saúde, Bibiana Chamacheli, explicou a importância deste trabalho. “O processo de acolhimento, de escuta destes pacientes que chegam da livre demanda, com certeza será aprovado pela população. Sabemos o grande número de pessoas que chegam necessitando serem ouvidos, muitos não estão nem doentes fisicamente”, enfatizou.

O presidente do Conselho Municipal de Saúde, Daewison do Vale “Seis”, agradeceu às representantes do DRS por acreditarem e apoiarem o projeto.

Em seguida o secretário de Desenvolvimento Econômico e Marketing, Rogério Menani, passou a palavra aos membros do Poder Legislativo presentes na oficina. O vereador Thiago Cetroni parabenizou a Secretaria Municipal de Saúde e os envolvidos no projeto piloto, acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal, Baltazar Garcia, que falou sobre a dificuldade no entendimento da função das UBSs por parte da população. “Trabalhar neste atendimento não é fácil, mas esta iniciativa contribuirá neste cuidado, na orientação e prevenção de problemas de saúde”.

A enfermeira responsável da UBS Ezídio Pelloso, Rosemary Beltrame, iniciou a apresentação do projeto. Segundo informações levantadas, Monte Alto hoje atende uma demanda de 44 mil habitantes usuários do SUS, distribuídos entre as três Unidades Básicas de Saúde e as quatro Unidades de Saúde da Família. Este projeto de acolhimento torna-se um facilitador no acesso à rede de serviços, levando em consideração sinais de alerta, utilizados para sinalizar casos que apresentem maior gravidade ou que possam acarretar em agravamento do quadro clínico em caso de não atendimento imediato.